domingo, 13 de setembro de 2009

Uma comédia constrangedora de erros

Teria sido cômico se não fosse sério. Mas foi, no mínimo, uma palhaçada o que aconteceu com o turista italiano acusado de ter dado um beijo em sua filha de oito anos num hotel em Fortaleza. A denúncia partiu de um casal de funcionários públicos que se sentiram indignados com a cena, por eles considerada obscena e reveladora de crime sexual. Aquele homem ali só podia ser um tarado, um racista, assim, não titubearam em acusá-lo de exploração sexual.
O cara foi levado à Delegacia de Combate à Exploração de Criança e Adolescente, ficou preso, o caso rendeu plantão extra do Jornal Nacional, virou notícia de primeira página nos noticiários do mundo inteiro.
Só que não tinha havido nada. Ele não era nenhum tarado, o casal viu apenas uma manifestação de carinho, nada demais. Imaginem o que este homem sentiu ao ver a filha sendo abordada por desconhecidos que lhe perguntaram quem era ele, a sua revolta e a de sua mulher. Gente, ele foi preso, acusado de uma coisa destas, que horror. A mãe da menina, como não podia deixar de ser, ficou do lado do marido e disse que o casal interpretou mal o gesto de carinho do pai., que acabou sendo solto, claro.
A maldade estava apenas nos olhos de quem fez a denúncia. Tudo porque o cara era branco e a menina, moreninha, como a mãe. Fiquei envergonhada com tamanha exibição de preconceito.
Qual a imagem que o Brasil quer passar para o mundo?

3 comentários:

Luiz Sergio Nacinovic disse...

Esse é o país que coleguinhas teimam em assinalar que não existe nem racismo nem preconceito. Tem gente que fica atacando as cotas, tem gente que fala mal, tem gente que acredita naquela lenda urbana racista que diz que o brasil é o que é por causa da colonização portuguesa. Preconceito pela dominação só em gente burra, né mesmo?

Diz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ana Borges disse...

O casal era de Brasília. Eles vivem lá naquela podridão e a podridão viaja com eles e permanece onde quer que estejam.
Tá entranhada e eles nem percebem. Cegueira da pior espécie, pq. eles só olham, ñ veem porra nenhuma q. preste.