quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Tudo o que é bom se faz devagar


Preciso desacelerar.

Preciso pisar no freio, deixar de viver num ritmo tão frenético.

Estou absolutamente dominada pela pressa, pela correria, pela falta de tempo.

Tudo na minha vida tem que ser rápido, imediato.

Esta perversa velocidade que vem tomando conta de todo o planeta me contagiou de tal maneira que quase não sei mais saborear lentamente os prazeres simples da vida.

Cheguei a esta conclusão no último domingo, depois de chegar de um passeio a Lumiar e São Pedro da Serra, com minha netinha Alice, minha irmã, meu cunhado e sobrinhas. Estava um dia lindo e muito quente, com o céu todo azul e encontramos uma prainha de rio maravilhosa onde as crianças e nós todos ficamos à vontade. Foi tão bom! Há muito tempo um programa não me fazia tão bem. E foi por muito, mas por muito pouco mesmo, que deixei de ir. Só fui mesmo para Alice Se não tivéssemos ido, ela e eu teríamos ficado em casa. Imagine fazendo o que? Cada uma na frente de seu notebook.

Um dos instrumentos que me induzem à velocidade é, realmente, a internet. Por isso mesmo, estou dando byebye para o twitter, que me toma um tempo enorme. Continuo dando minhas espiadinhas no orkut dos outros, mas o facebook , para mim, já é coisa do passado. Enjoei antes de chegar a curtir. O blog, por enquanto, só me dá prazer, não tenho a menor vontade de parar e acho que nunca vou ter.

Mas quero voltar a fazer almoços no domingo, algo que sempre me deu prazer, em vez de apenas descongelar uma lasanha (afinal, só deixei de fazer isso porque acabo ficando a manhã toda on line e a tarde toda também kkkkk). Quero ler O Globo e não O Globo on line nos finais de semana. Quero ouvir meus CDs e voltar a assistir filmes, muitos filmes. E trabalhar menos que ninguém é de ferro.

Lentidão será minha palavra de ordem daqui por diante. Quem quiser que me aguarde. Alguém já disse que “todas as coisas que valem a pena devem ser feitas lentamente”. Que coisa mais sábia!!! Minha prioridade agora é recuperar o controle do meu tempo, vale dizer, o controle da minha vida. Não sei se vou conseguir, mas vou tentar.






Imagem: Roberta Serenari

6 comentários:

Liliana Sarquis disse...

É isso aí,Dalvinha! Admiro muito a Deise pela capacidade de curtir as coisas. É impressionante. No auge de um monte de problemas, falta de dinheiro, problemas na obra, dia inteiro no jornal, Mayara, que sempre exige (e merece) atenção, pai e mãe já idosos (e teimosos), frituras de linguiça e torresmos, ela tem capacidade de parar e tomar uma cerveja, contando um piada, na porta do bar. Sem dramas, sem correria, com estresse mas de forma light, brincando com as dificuldades. Conheço pessoas com muito menos problemas, com muito menos coisa pra fazer que estão sempre de mau humor, cançadas, estressadas etc. Espero que vc siga o que se propos neste blog e que consigamos tomar um chope ou café nos próximos dias.Que as notícias do globo sejam no papel, que seus amigos possam conversar olhos nos olhos com vc e que sua neta tenha sempre uma avó para curtir um rio em Lumiar (conhece São Romão??? Não deixe de levar Alice lá).

Maria de Lourdes disse...

Cris V

Na chamada para o seu blog encontrei a chamada para um poema meu BERIBEBUNS.

Aproveitei para vir conhecer o seu trabalho.

Seu blog é muito interessante.
Vejo que é feito com muito amor.

Parabéns!

Não deixe de visitar o almacarioca.net

É muito importante esse intercâmbio entre os blogueiros.

Beijos no coração,

lu

Ana Borges disse...

Sabe a impressão q. eu tenho das pessoas q. vivem nesse ritmo acelerado? Q. estão fugindo de alguma coisa.
A Terra tá em transe e nós nos afogando num turbilhão de coisas sem sentido.
Zonza nesse mundo tão atordoante, às vezes tenho a sensação de que estou dando voltas em torno de um bule procurando a alça. Patético!
A ordem é desacelerar antes q.seja tarde, o freio ñ funcione e a gente acabe voando de uma janela.
É clichê, mas tá valendo: pare o mundo que eu quero descer!

PS: e esse anônimo piadista aí, hein? será q. ele pensa q. o problema se resolve c/uma diarista?

Carlos Emerson Jr. disse...

Outro dia estava lendo o blog de um amigo que mora num sítio, no interior de SP.

Ele contava que chegou na porteira já à noitinha. Parou a perua, desligou o motor, saltou e fechou a entrada. Depois, olhou para céu e percebeu que a lua estava nascendo, enorme, no horizonte.

Deitou-se na caçamba do carro e assistiu, com respeito e admiração, aquela lua tomar conta da noite e iluminar todos os campos.

Fiquei com uma baita inveja e a sensação de que ainda temos muito que aprender para vivermos a vida sem urgências ou temores.

A lua está aí, sempre. Nós é que precisamos nos lembrar de olhar para ela.

Eu saí do Rio para desacelerar minha vida e acho que estou chegando lá.

Um abração!

Cris V disse...

Concordo com todo mundo e, podem crer, juro que estou tentando ao máximo desacelerar... É difícil,pois esta pressa está muito entranhada em mim mas eu chego lá!!! Lili e Deise, hoje no fim de tarde vou curtir uma linguicinha e uma caipirinha lá no Cantinho bem devagar, viu???
Lourdes, visito sempreo Almacarioca e adoro!!!
E Aninha, a terra está em transe, sim, nós temos que nos preservar, não??? Aquele comentário a que vc. se refere nada mais é que spam. Vc. nao imagina qtos nao tenho deletado! Por isso mesmo tantos blogueiros insistem em "censurar" (como vc. chama) os comentários, só publicando-os depois de lidos.
E Emerson, querido, observar a lua é mesmo uma delícia. Faço muito isso, sabe qdo? Quando estou deitada na minha cama. Ao contrário de vc. saí do Rio pensando que iria desacelerar. Não consegui. Mas chegarei lá, podes crer!!!

Lista Telefonica disse...

www.sualista.com.br